terça-feira, 12 de maio de 2015

Feminismo hoje e outras cositas

"Nunca fiz o q estou fazendo agora: apontar dedo pra minas. Apenas cansei dos ataques. Pretendo nunca mais fazer também. Recado tá dado:
O que eu faço pelo feminismo e pelas mulheres pode ser titica de galinha, mas de uma coisa eu tenho certeza: é MUITO mais do que esse feminismo raivoso doente de facebook que perde tempo esbravejando, cagando regra, caçando carteirinha, rachando minas, dando liçãozinha de moral e indiretas nos murais, tentando se pagar de descolada modernosapor ser ~feminista~ numa busca obsessiva por likes pra bombar a própria auto-estima.
Quer ser feminista? Recomendo que tire a bunda do sofá e venha pro mundo real. Venha conviver com mulheres, conversar com mulheres, acolher mulheres, ajudar mulheres a sair de relacionamentos abusivos, denunciar macho agressor, promover eventos para mulheres, arrecadar dinheiro para tais eventos que contemplem mulheres, estudar junto com mulheres, debater políticas públicas para mulheres...
Tô CAGANDO pra tua opinião ~feminista~ sobre homens, veganismo, maternidade, monogamia, o coletivo feminista, a ONG, sororidade, o céu, a terra, a água e o ar, falando como se a sua opinião actually made a difference em algum universo além dessa bolha virtual.
Isso é só pra dizer que eu não me meto mais (já me metia muito pouco antes) nessas discussões ridículas que vocês ficam dias travando." - Comentário de Georgia Martins Faust 



Um comentário:

  1. É que eu não posso levantar e bater palma aqui na ~firma~. Quer dizer, posso, meus colegas até estão acostumados com minhas esquisitices. Mas cês entenderam.
    Sensacional, brilhante, resumiu meu bode definitivo com feminismo de internetchis. Gente espumando em caixa de comentário, fazendo grupinho, juntando turba raivosa pra caçar e descontextualizar falas, batendo boca em rede social (ngm tem mais o que fazer?). Tô fora desse coiso aí que chamam ativismo feminista online.

    ResponderExcluir