sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Tiradinhas

Eu sei que sou facinha, facinha. Eu sou facinha de gostar e gostei muito do Colorado. Das montanhas do Colorado. Poderia viver por lá tranquilamente. Ver as estrelas e os despenhadeiros. Dormir em barraca ouvindo o barulho da chuva. Andei, andei e andei seguindo o curso dos rios. Anos morando com um rapaz para depois descobrir que ele não é do tipo que faz trilha. O joelho do cara já era. O jeito é cada um ir para um lado. Eu andando, ele pilotando moto. No Colorado não fiquei com saudades dos ventos loucos do Illinois.


***

Digitei o nome de uma intragável no telefone. O telefone corrigiu o nome para Iansã. Coitada de Iansã. Ela não merecia.


***

Jogo do currículo. Coisas de Marina W.

- Eu não faço a sobrancelha.
- Eu não uso chapinha.

Eu sou fútil.

***

Sobre hímen e mercadorias. Uma mulher diz para meninas de 10 anos de idade que elas não podem andar de bicicleta. A mulher não explica por quê mas a cara que ela faz nos dá a dimensão de que algo muito ruim acontecerá se meninas mocinhas andarem de bicicleta. Branca, sulista e professora. Niguém, nos ignorantes e machistas anos 80 lá onde só tem pedra, a contestou. Acataram.

Andar de bicicleta poderia romper o hímem das meninas nascidas na pedra. And God forbids se as  mercadorias perdessem o lacre. Perdessem o valor.

***

Dizem que eu não faço nada pois aqui até o alho vem descascado. A roupa sai da máquina pronta para vestir. Mulheres americanas que não fazem nada. O horror!

Duas coisas difíceis de por na cabeça de uma certa classe mérdia. Olhando daqui da América do Norte.
- Quando um estrangeiro, em visita ao Brasil, diz que só os muitos ricos fazem uso de empregadas domésticas nos EUA.
- Quando um estrangeiro diz que os homens brasileiros são machistas.

Preste atenção. Só os muitos ricos. Não é a classe média americana. É classe muito rica americana que pode pagar  pelos serviços de serviçaís. Se não pode pagar, não é rica. É classe média. E tenho certeza que, se compararmos a classe média americana em termos de $, essa classe média tem um poder economico bem maior que a dita classe média brasileira. Quem é classe média aqui limpa a própria privada. Daí que entra a questão do machismo. O homem americano limpa a própria privada. Casais dividem as tarefas de casa. E se um deles alardear por aí que, oras, ele tirou o pó e pos as louças para lavar para ajudar a esposa, gentes dirão  - Do you want a cookie? O cabra não faz mais que a obrigação.

A classe média brasileira acha que é rica.








Nenhum comentário:

Postar um comentário