terça-feira, 23 de julho de 2013

Da viagem.

O Rio estava lindo. O lado do Rio, que eu vi, estava lindo. Me senti espertissima, tarimbadissima em cidades grandes, mostrando a cidade para a sogra, ensinando a ela como não se parecer com uma turista, não dar pinta de turista, não ter a pele arrancada pelo comércio por ser turista. Como diz marido - tomar os cuidados que a gente toma em qualquer cidade grande, turistica, seja Chicago ou Rio de Janeiro.

Eu poderia ter ficado no Jardim Botânico para sempre. E Ethan na praia. Sempre me escandalizarei com a voluptuosidade da cidade. Carioca deve ser muito relax, pois se carioca eu fosse, faria cara feia para aquele monte de turista invadindo a minha cidade.

Quero muito voltar ao Rio levando uns amigos americanos. Aquele, gente boa de viajar, sabe? Que não tem medo de multidão, que não exige pancakes no café da manhã, que não viva tão imerso no conforto de suas casas nos suburbs americanos - que não paniquem só de pensar em pegar o trem em Chicago, New York, Parangolé do Rocha. Enfim, gente que não bitch about every fucking thing! E que não fiquem alarmados com os vendedores de rua. Do tipo que chama a gerente do bar, em Goiânia, para tirar satisfação do porquê ela deixa vendedores adentrar o bar. A não ser que a gerente seja bad ass e devolva com um - ele entrou no bar para TRABALHAR!! - Nota para o tom mais ou menos assim "mas kirida, cê não notou que o cara tá trabalhando?? ". Sabe gente chata? Então, essas a gente envia para os ursos nas montanhas do Colorado, que é lindo, diga-se de passagem.

Goiânia tava fofa. Gente arrumadíssima. Andei de ônibus com a cria, peguei manifestação, shopping centers lotados, amigo bom de copo, amor de mães e irmãs. Quis trazer todas as sobrinhas para mim. Ainda estou negociando a doação de uma delas. Li e reli a Fal do Drops. Revi 3 amigas do coração. Elas estão lindas e bem aparelhadas ( carreira, carreira, carreira!) na vida. Fiquei tão orgulhosa delas.

Tinha muita gente que não foi possível ver. Peninha.

Nota para o futuro - ninguém precisa de malona para viajar. E só levo mercadoria ; encomenda para o Brasil se me pagarem  muito, muito bem, mas isso é meu mantra desde mil novecentos e bolinha.

3 comentários:

  1. É incrível como tem gente que viaja só pra confirmar que não gosta de lugar nenhum fora o seu próprio canto, né? Aqui outro dia ouvi uns brasileiros reclamando que a cerveja é ruim (ahan), que falta sal na comida, que deviam pôr mais calçadas nos jardins... por que viaja, diabo? Volta pra sua cidadezinha perfeita e se enterra lá, dá vontade de dizer. O tempo todo tentando tecer comparações. Afff fico doida.

    ResponderExcluir
  2. As pessoas arrumadíssimas de Goiânia deixam qualquer um neurótico com aparência! Brasília é um pouco mais "relax", mas eu queria mesmo é morar no Rio. Adoro pessoas leves e desencucadas! Além disso, talvez lá eu perdesse esse tom de pele fantasmagórico! Pena que você tenha vindo e ido sem, mais uma vez, nos encontrarmos. Um dia desses eu e Najla daremos as caras por aí. Beijocas!!

    ResponderExcluir
  3. Ah, o Rio... Olha, sempre digo que se o Rio fosse um lugar com temperaturas menos insalubres, meu projeto de vida seria morar lá :-)

    E Goiânia hein? Nunca termina de me chocar o tanto que a mulherada dessa cidade anda produzida! A gente se encontra na próxima, viu?

    ResponderExcluir