sexta-feira, 20 de maio de 2011

Cadê o romance que deixei aqui?

Eu não sou romântica. Nunca fui. E deveria ser pois, segundo o horóscopo, cancerian@s tendem a sentir borboletas no estomago ao menor sinal de 'o amor está no ar'. Imaginem como eu constrangi e fiquei constrangida com os sinais de romance que meus parceiros me deram ao longo desses anos. Teve partes que eu gostei, admito. Como vendedora, ganhei muita comissão no Dia dos Namorados. E só. Quando leio que o fulaninho se ajoelhou e pediu a mão da fulaninha em casamento, meio que acende um negócio chamando cinismo dentro de mim. Eu torço para a fulaninha dizer um sonoro 'não'. Thank God, um dessas disse um 'não' bonito essa semana. Em público. I don’t get it! A pessoa tem que gostar de viver perigosamente para se expor e expor a namorada em um shopping center lotado. Custava ter recebido esse 'não' no aconchego do lar?

Voltando. Quem não vê nenhum apelo em tradições como o casamento, é instantaneamente levado a achar tudo muito artificial, datado e cafona. O fato de eu ter assistido casamentos em que o padre perguntava- 'Quem dá essa noiva em casamento?'- e pai da noiva berrar 'EU!' - pra toda galera saber que, o papai autorizava a filha a casar e passava a tutela dela ao marido. Em pleno século 21, minha gente, e povo achando tudo muito lindo, pertinente e engraçado. Mas o maior pesadelo que tive em casórios foi ouvir o um pastor celebrando o casamento da própria filha dizendo que ela devia obedecer o marido. Ali, para umas 50 pessoas ouvir. E todos achando lindo etc e talz. Quando me recuso a ir a casamentos e só comparecer a festa, sou persona non grata.

O romantico aqui em casa é o meu marido. Quando o conheci no dia 14 de Janeiro de 2005, ele anotou na agenda a data. Só faltou fazer coraçoezinhos ao redor. Eu tive que casar para poder me mudar para os EUA com status de residente. E a gente já morava junto lá no Brasil. E parte da turma dos romanticos começou a surtar planejando meu casamento. Sabe aqueles gritinhos de felicidades que moçoilas costumar dar quando se encontram? Eles planejavam um detalhe e dava os gritinhos e assim por diante. Mal sabiam eles que eu já tinha levado a papelada no cartório e estava planejando as biritas da festa. E a maquiagem e vestido também, pois não sou romantica, sou perua. Minha mãe tinha uma leve desconfiança de que no casamento não teria bolo, vestido branco, daminhas e nem casamento. Quando o povo se situou que eu sou uma badass do coração peludo, começaram a especular sobre a lua de mel. Se é para viajar, eu tô dentro! E se é para ir ao litoral baiano, eu já tô embarcando. Mas o detalhe sórdido é que meu marido não podia viajar tão cedo. Ele estava no meio de uma colheita aqui.

E eu disse a todos que não ia ter lua de mel e que fariamos uma viagem como qualquer outra quando a colheita findasse. Outro balde de água fria. Marido,que já era marido na lei, se sentiu na obrigação de explicar que sim, aquela viagem seria a nossa lua de mel querendo eu ou não! Daí ele abriu uma data na agenda e tascou - lua de mel em letras garrafais. Quando eles descarregou as fotos da viagem, fez questão de batizar o album de lua de mel e enviar para trocentos amigos daqui. E no dia 25 deste mês, romantico vai se arrastar para o jantar de aniversário de casamento depois de um longo dia de plantar e carpir. E vai me dar um cartão de Happy Aniversary! Eu já dei tanto desgosto a ele que, nem vou fazer discurso de que 'é só uma data e talz'.

Né.

12 comentários:

  1. Ai linda, eu não era romântica, nadica de nada, mas hoje, aos 40, vi que perdi muita coisa e nossos companheiros não precisam ser os príncipes de contos de fadas, nem os galãs de novela, mas é bom o mimo do romance, quebra o gelo.
    Quanto ao protocolo de casamento, acho besta tanto quanto formatura e batizado. Argh!

    ResponderExcluir
  2. Tenho pavor dessas comemorações tradicionais. Casei no civil, tô separando nele. Guardo rituais ainda por causa da Isadora, mas só pra ela ter referencial de, e deve ser útil no futuro dela, sei lá. Se não for, ela que trate de ñ fazer. Mas romantismo às vezes é bom, ou pelo menos um pouco de sensibilidade. Se não comemorar a data, faça coisas diferentes em outro dia, é assim que penso.

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Não dê um desgosto ao romântico mas escolha o restaurante!
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  4. Marilinda! Na mesma data em que você conheceu o seu marido, meu irmão nasceu. hihi (comentário adicional esse! UAHUHSUHAHSA)
    Ah amigues, não custa nada dar esse desconto a ele, né?! Seja "boazinha" e escolha o restaurante ao menos como a Juh comentou. :p AUHSUHS

    Um pouco de romantismo não faz mal, viu!? #rum

    (Eu posso dizer com segurança que sou uma romântica incurável!:~ er...)

    ResponderExcluir
  5. E' engraçado esses maridos mais romanticos q as mulheres. Aqui em casa é igual: maridex curte esses detalhes meio romanticos, mas nao tô muito ai' nao. Casei no papel so' pra poder vir pra França e os amigos me zoaram até nao poder mais pq eu sempre dizia com todas as letras que NUNCA ia casar! Haha... me dei mal. Mas enfim, casado no papel, na igreja ou nao, nao é isso que determina a felicidade de um casal, né?

    ResponderExcluir
  6. yes! quanta identificaçao! minha mae ficou decepcionada quando viu minha empolgacao com o tal do meu casamento. contei a ela como se eu tivesse avisando que, sei la, que ia na padaria. "a gente vai casar e tal, preciso entrar na frança". sensibilidade total, choquei minha mae, coitada, porque a geracao dela eh daquelas que suspirou na janela pensando no amado. e o amado que minha mae escolheu nao eh la grandes coisa, entao essa historia de casamento nao me empolga MESMO. mas a festa foi massa, bebi que capotei :)

    ResponderExcluir
  7. Não sou romântica, sou perua. Posso colocar como slogan no meu blog?
    Amei o post, dá tanto pra pensar...

    ResponderExcluir
  8. Adorei! Mas posso dar pitaco? Só faltou a foto do casório com a foto do bolo de casamento :).

    ResponderExcluir
  9. Dé, minha história é igualzinha a sua.Mãe diz que é para eu pagar a lingua.

    Keyloca, o bolo voador foi a prova de que eu sou da pá virada e é bom não mecher com a bruxinha que mora em mim.

    Lu, sua romantica incorrigivel que eu sei!

    Ronise, outra romantica!
    Oi, Rangel Disfarçada, eu também vou ter que voltar atrás e participar de alguns rituais por causa do menino.

    Glorita, obrigada por passar por aqui.
    Luv you!

    Jussara, escolhi um italiano - melhor salmão com funghi que já comi. Delícia!

    Lu, outra que pagou a língua juntinho comigo. Beijos!

    ResponderExcluir
  10. gentes, mas como assim esse pai gritando EEEUUU??? que horror!
    nesta história de casamento eu sou muito semelhante a você e sequer tenho a pretensão de um dia me casar.

    deixa eu te perguntar uma coisa, se é que pode responder... estava vendo o site da fazenda e vi que têm plantação de soja. você saberia dizer, mari, qual o percentual da produção é destinada direta ou indiretamente ao consumo animal não humano?

    ResponderExcluir
  11. Oi, Lili,

    liguei para o marido para confirmar - este ano 90% do solo da Carroll Farms Brasil foi usado para o plantio de algodão devido ao bom preço no mercado. O resto do solo foi usado para o plantio de soja e, toda a produção é vendida para a China e quase o total é usada para consumo humano.
    Marido diz ainda que LEM - Luis Eduardo Magalhães ( o municipio baiano onde a faz. se encontra) é o maior produtor de soja para consumo humano no mundo. (espero muito que este dado esteja correto pois tenho muito ódio do que a soja - monocultura em geral - faz com o solo).

    Se vc quiser mais info, no site tu pode falar com John Carroll - ele fica feliz demais em falar sobre como é ter fazendo no BR.

    bjs

    ResponderExcluir
  12. valeu pelas infos, mari... vou ver se bato um papo com o john carroll. vou ter que usar o meu ingles porco? rsrsrs

    beijos.

    ResponderExcluir