terça-feira, 22 de março de 2011

Violência

A violência contra a mulher passou pertinho de mim novamente.

Era uma vez uma senhora de seus 60 e bem conservados anos, viúva, com 3 filhos e em um novo casamento. O casal estava casado a quase 6 anos. Naturais do Illinois, viviam 5 meses de inverno bravo na Flórida. É muito comum nos EUA os mais velhos, com a vida feita, fugirem do inverno rigoroso mantendo uma casa em Estados ensolarados.

Essa senhora é a melhor amiga de minha sogra. Elas foram juntas a faculdade e fizeram aqueles 'combinados' quando eram adolescentes de que seriam inseparáveis. Mesmo o fator inverno e mudança sazonal para a Flórida, elas continuam fazendo de tudo para tecerem a vida juntas.

Todos os anos, minha sogra passa uns muitos dias em companhia da amiga no calor de Naples, FL, tomando vinho, vendo filmes, vivendo o silêncio que só os quem tem bons amigos sabem reconhecer. O marido nunca aparentou ser abusivo nos primeiros anos de relacionamento, no entanto, os amigos perceberam aqui e ali que amor e respeito não eram o forte daquela casa.Não por parte dele. Ele começou xingando ela. De leve. Depois foi aumentando o tom e já não fazia questão de xingá-la quando ninguém estava olhando. Fazia em público mesmo. Todos acenderam o sinal de alerta.

Sabe aquele velho alerta de que se 'ele deu o primeiro tapa, saia de casa imediatamente'? Foi isso que ela fez. A umas 2 semanas, ele bateu nela pela primeira vez, chutou ela fora da casa e ela passou a noite dentro do carro. No outro dia ela arranjou forças, tomou coragem e engoliu a humilhação e denunciou ele. Ligou para a melhor amiga, colocou os filhos a par do que acontecera e deu entrada nos papéis do divórcio.

Eu quase passo a amar os EUA quando sei que aqui as chances da tal 'restraining order' funcionar são enormes. Com ela, o agressor não pode fazer contato com a vitima, nem chegar perto etc. (ver Rihanna e ex- esposa espancada por Charlie Sheen). Eu fico muito fula da vida quando gente vem dizer que Luana Piovani está exgerando ao chamar os policias toda vez que o Dado Dolabella está no local onde ela se encontra. Exagero nada! Ordem de restrição (sei lá como isso é chamado no BR) tem de ser levada a sério, tem de ser usada pelas vítimas de violência doméstica e principalmente, tem de ser respeitada por parte dos policiais que são encarregados de executá-la. (Posso desabafar? Cara, eu tenho um parente policial que acha que algumas mulheres gostam de apanhar. Pense no nível deste tipo de gente na polícia.)


Eu fico totalmente abatida com o sofrimento pelo qual essa senhora passou. A humilhação, a dor, o desencanto. A Simone escreveu que esta etapa da vida em que essa senhora está passando seria uma espécie de melhor idade, melhor fase para a mulher. Infelizmente, um machista veio acabar com esta história.

Felizmente as casas tanto no IL quanto na FL pertencem a mulher. A casa do IL é belíssima mas ela pediu para os filhos por a venda. Vai ser difícil vender uma casa nesta atual economia, mas entendo perfeitamente a vontade dela de deixar para trás tudo que passou com o marido agressor.

Hoje minha sogra voa para a Flórida. Só com passagem de ida. Ela vai voltar dirigindo o carro da amiga com os pertences dela. Antes elas vão por os móveis no depósito, cuidar das coisas legais etc.

O que fica desta história? Só o desalento.

10 comentários:

  1. Minha nossa, Mari!:O Mais uma tristeza... E mais um babaca protagonizando.
    Poxa vida! Tadinha dessa senhora!:/

    E concordo quando você apoia Piovanni.

    ResponderExcluir
  2. Não, não, baby. Ficam, ainda: o valor e importância da amizade, a coragem e amor próprio que ela teve, a sensibilização pra todas nós que te lemos...fica a certeza que há muita tristeza, mas também muita força e possibilidade de ser um tantinho melhor. E fica, claro, meu bem querer por você que é tão sensível a isso tudo. Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Eu já ia falando o mesmo que a Borbs ;) - puxa, olha o apoio: das amigas, da família, da lei, que essa mulher tem. Quem dera todas as mulheres que conheci, e que sofreram ou sofrem como ela, tivessem a coragem e o apoio para tomar a iniciativa correta. Ela não precisa dele, e vai ficar feliz por ter sido corajosa e tão amada por quem realmente importa.

    ResponderExcluir
  4. Não acho que fique só o desalento não.Pra mim fica a esperança de que as coisas estão melhorando.Nunca que eu ia imaginar que uma senhora dessa idade,criada em tempos machistas (quer dizer,bem mais que hoje) ia reagir tão rápido.Imagino o efeito desse bom exemplo nas pessoas perto dela.Imagina sei lá,uma neta.Quando o namoradinho ameaçar levantar a voz a primeira coisa que virá à cabeça é "Vovó não aguentou isso,então também não irei".

    ResponderExcluir
  5. Eu divido com voce a admiracao pelas leis americanas acerca disso. O fato e' que falta coragem a muitas mulheres, mesmo com leis que as protegem e que sao de fato cumpridas. Que o exemplo dela se multiplique porque ainda tem muita mulher apanhando nesse pais de boca calada.
    Infelizmente, no nosso querido pais, a mulher so pode ser coitada ou vagabunda. E a Luana, porque mandou todo mundo a merda e fez valer a lei, e' taxada de vagabunda. Me orgulho dela se manter firme e forte mesmo com toda pressao da midia.

    ResponderExcluir
  6. Baby, vir aqui e, assim, na maior cara de pau, dizer: saudade. Vale?

    ResponderExcluir
  7. não concebo uma mulher que permanece com um homem que a agride…ainda bem que algumas tomam iniciativas assim!

    ResponderExcluir
  8. Moças bonitas, obrigada pelos comentários. É reconfortante ler que vcs tem uma visão mais otimista do que eu com relação a violência de genêro.



    Long Haired Lady, eu não concebo é um homem que espanca uma mulher, não concebo uma sociedade em que ainda aponta a vitima como culpada nos casos de violência doméstica - sexual, não concebo um Judiciário com raízes tão fincadas no machismo que ainda perguntam as vitimas de estupro, por exemplo, 'qual roupa elas estavam usando na hora do ataque', não concebo a justiça ignorar apelos como a da cabeleireira que foi morta esses tempos atrás mesmo depois de todas as denúncias contra o ex marido que a espancou por anos, não concebo olhar todos os dias no Twitter a @machismomata e ver que mais 1, 2, 3 mulheres brasileiras foram assassinadas naquele dia por seus ex, companheiros ( homens que as ameaçam de morte caso elas OS DEIXEM)...

    Eu não concebo tanto coisa no mundo da dominação masculina...

    Bjs pra vc, obrigada por comentar.

    ResponderExcluir
  9. Ai, gente, eu releio os comentários de vcs novamente e penso o quanto vcs são lindas, suas lindas!

    ResponderExcluir
  10. Dessa historia tb fica claro que a gente pode contar com os amigos. Coisa ruim acontece com qualquer pessoa e ninguem eh mais ou menos especial do que ninguem c relacao as coisas ruins, mas nem todo mundo tem a mesma sorte de encontrar amigos de verdade.

    ResponderExcluir