sexta-feira, 18 de março de 2011

Cafetinagem - trabalhamos

E o que você faz quando aquela ex primeira namorada de seu marido que se tornou amiga (pausa pra respirar) insiste em deixar claro que os dados ainda estão rolando?

Pausa para o choque inicial.

No primeiro dia, a gente escuta todas as lamentações dela, de que os homens interessantes são gays, de que as mulheres são umas falsas que roubam namorados umas das outras ( aqui eu me controlo para nao deixar a fulana falando sozinha), de que ela está na seca* a não sei a quanto tempo (aqui me controlo de novo para não ser grossa e dizer que não temos tanta intimidade assim para eu ficar a par de pormenores), de que isso, de que aquilo ad eternum.

No segundo dia, todas os desgostos para com os homens, as mulheres e todos os seres que impede que ela tenha um relacionamente, são novamente listados por ela. Constrangimento.

No terceiro dia, ela começa a desfolhar a lista de qualidades que ela tem (gente, que ano é esse) e que não entende porque diabos, aos 33 anos, continua solteira.

No quarto dia, eu já tô mais para lá mais pra cá com a mocinha que, aparentemente, é bem instruida, com 20 viagens internacionais no currículo, ajeitadinha (um combo que era pra dar certo), mas que não larga de se lamuriar no pé do ouvido do meu marido. E bem de pertinho. E fazendo olharzinhos, brincadeiras, toda meiga.

Pausa para falar um pouco sobre essa pessoa que está postando aqui - eu.

Se tem uma coisa que odeio no mundo é o sentimento de posse, as crises de ciúmes, o ciúmes que existe mas que muitos camuflam para não dar vexame e morre um pouco por dentro. Não tenho ciúmes de ninguém. Fico angustiada quando vejo amig@s se martirizando com essa insegurança, esse desequilibrio gerado pelo ciúme. Eu não sinto ciúmes e corro três dias de quem sofre deste mal.

Outra coisinha que você precisa saber sobre mim -

Eu durmo de roncar quando começam com esse papo de que todos os homens são canalhas e que não se aguentam a menor cantada de uma mulher. Ai, esses coitadinhos tão frágeis e a mercê dessas mulheres ( coloque aqui os trocentos adjetivos que você ouviu por aí). Nêgo, se meu marido cair nas investidas da ex, ele é um imbecil que estara violando aquele contrato que fizemos. O contrato dizia ' Nossa relação é monógama? - Sim. - Ok, passa o vinagrete.'. Daí que eu super respeito pessoas que tem um crush em pessoas casadas e talz, mas se essa pessoa casada decide romper com a atual e embarcar noutro relacionamento, eu não vou ficar em casa fazendo listinhas de nomes feios para xingar o ex e ensinar meu filho a xingá-lo no futuro. Eu não sou besta, não tenho tempo para isso e minha pele sofre horrores quando me meto nesta baixarias.

Daí que, chegou um momento que eu não aguentava mais as lamúrias da ex de marido e decidi que era ver de qual que era. Eu disse com todas as letras que poderia ser uma espécie de pimp do meu marido ( as máquinas do cassino fazem 1 minuto de silêncio diante da proposta) e que ela poderia usá-lo por uma hora por BIG MONEY. A ex corou. Marido corou e tomou o rumo do banheiro mais próximo e eu continuei as negociações. Deixei claro o quanto esse negocio de monogamia é muito vezes tão restritivo, tão sufocante e que a gente não podia se fechar num mundinho acreditando que sexualidade é passível de ser classificada.

Fiz cara de compreensiva com uma pitada de HT plus sandalhinha e esperei a moça reagir.

Passamos o resto do passeio sem ex de marido saltitando ao nosso lado.


*gente, a expressão 'estar na seca' é tão bonitinha em inglês.

11 comentários:

  1. Mulher, surtei eu aqui na cadeira. Que elegância, que fleuma, que finesse. Eu também sou bem tolerante, acho que se fosse pra morrer de ciúmes era melhor nem casar mas... ex se dizendo na seca pro maridão? Só com isso já seria expulsa à vassouradas.

    ResponderExcluir
  2. Eis uma cena a que eu gostaria de ter assistido, com o objetivo de te aplaudir. Tb ñ sou das pessoas ciumentas da face da terra, mas não gosto de ex na orelha me atormentando a vida. Se é ex tem que ficar no lugar dela. Mas o povo ñ se enxerga. Outro dia conto minhas peripécias tb.

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Mari, Mari, ídola, vc já sabe o que eu penso a respeito disso tudo, concordo tanto e ó, vou usar essa tática de pimp também, divertidíssima.

    ResponderExcluir
  4. Adorei, nada como resolver as coisas em cima do salto, rs
    Logo se vê porque aos 33 ninguém a quer.
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  5. o_0 besta estou! Adorei; quero crescer assim, como vc!

    ResponderExcluir
  6. hahahaha to-ma!

    eu ja fui besta, viu. besta porque tinha um namorado besta, ele tinha uma ex besta e todo mundo era besta e fazia coisas... bestas. do tipo eu ficar me ardendo cada vez que o cara abria o msn com a besta-ex. mas eu era bobinha, primeiro namorado etc. hoje eu nem me reconheço nessas lembranças, nao tenho paciência pra ficar vigiando nêgo ou nêga e respiro a tranquilidade dos que nao perdem tempo tentando controlar o incontrolavel.

    ResponderExcluir
  7. Não acredito que teria a sua coragem, mas pelo menos o recado foi entregue. Deu show em um super salto. Chiquetérrima essa minha amiga!

    ResponderExcluir
  8. Esse foi o jeito mais criativo de espantar ex de marido que eu já vi.Palmas.

    ResponderExcluir
  9. Você é impossível, Mari! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK A R R A S O U! Aplausos pra você, amigues! UAHSUAHSUAHSUHAUSHAHS Sério... que "menininha" sem noção! Alguém pode preparar um chá de se mancol pra essa criatura "doutro mundo"? ¬¬

    ResponderExcluir
  10. Pera ai...e essa moca tava na tua casa esses dias todos? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

    ResponderExcluir
  11. Oi, Elis, nós estávamos em Las Vegas.

    Ela é amiga da familia do meu marido e, depois que me mudei, nos tornamos praticamente vizinhas. Ela frequenta minha casa, nos encontramos em festas de amigos em comum. Enfim, um relacionamento hiper normal.

    bjs

    ResponderExcluir