terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Aos borbotões.

Tenho tido insônia. Marido diz que não percebe porque, óbvio, ele está dormindo. Bato ponto de olhos secos as 4 da manhã. Não reconheço o bêbê sem os cachinhos. Marco os dias no calendário. Cabelo cresce. Irmã atravessa uma gravidez difícil. Continuo marcando os dias no calendário. Dia 25 de Maio os noves meses terão passado. Até lá muita conversa no Skipe. Muitas recomendações de repouso. Amamentação e parto normal passam a figurar em último na lista. A prioridade é manter Nicole na barriga. Ontem encontrei um body (macacão) com estampas de guitarras. Outro escrito I Love My Auntie. Trouxe os dois comigo. Faço pacotes para enviar pelo correio. Distribuo a mercadoria por vários envelopes-bolha. Há toda uma estratégia de logística e promessas que não pagarei por trás da minha relação com os correios americanos e brasileiro. Minha mãe vai em meu lugar ao Bom Jesus da Lapa. Admiro gente que faz turismo religioso. Ir a Fátima em Portugal somente para fazer parte daqueles que puseram os pés em lugares pra eles sagrados. Minha avó Geórgia rezava a ladainha em latim. Meu pai dizia que ela estava em seu juízo perfeito pois, as cantigas e rezas que saiam de sua boca continuava perfeitamente cadenciadas. Sem esquecer uma única palavra. Assisti meu primeiro jogo de hóquei da arquibancada. Ele me pergunta porquê não levanta na hora que toca o hino. Eu pergunto o que um militar fardado está fazendo em uma competição esportiva. Nota mental: levar o marido pra assistir um jogo de futebol ou volei no Brasil. Aqui eles amam a guerra e os esportes. Lá nós preferimos os esportes que já é uma simbologia da guerra. #mimimi. Estou procurando piscinas aquecidas. E piscina de bolas. Daquelas que tem nos shopping. Quero me jogar. Será que eles aceitam mães? Engraçado sentir a falta das pessoas no Twitter. Alguém viaja, sai de férias, dá um tempo e a gente espera. Pergunta quando volta. Sente falta. As vezes até sonha com elas. Esse mundo é muito e curto para mim.

9 comentários:

  1. Nossa, quantas coisas. E sentimos mesmo. (você se sente louca com isso? eu me sinto)

    ResponderExcluir
  2. Baby, identificação completa. Coisas demais na cabeça. O mundo é muito curto pra mim.

    ResponderExcluir
  3. Preocupações demais, né amigues?!:/ Entendo perfeitamente. Muitas vezes, pra mim, 24 hora não dá nem pra começar. :~
    Ó, se precisar, é só tuitar, blogar, falar no msn. ;)

    ResponderExcluir
  4. Mari, não sou maluca mas me emociona a fé cega, por isso tenho intenção de fazer todas as romarias o BR, já fiz Padim Cicero, Aparecida e a da Igeja da Penha do Rio. Ainda tenho todo o tempo do mundo, principalmente depois que me aposentei.
    Bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  5. Same same same here. Slow down... we gotta slow down.

    ResponderExcluir
  6. Lindíssimas, obrigada pelos coments. Beijocas.

    ResponderExcluir
  7. Minha querida, confesso que nunca tinha lido teu blog, mas amei. De Rangel pra Rangel a gente se entende. Cometi twitercídio. Sinto falta das pessoas, não da coisa em si. É o mundo, a vida, tudo tão sem sentido e ao mesmo tempo tão complexo. Saudadona. Bjos Cris Rangel

    ResponderExcluir
  8. Oi, Cris! Que bom que vc veio parar aqui. Adorei o de Rangel pra Rangel! :)

    E o Twitter? Apareca!

    Beijocas com muitas exclamacoes!

    ResponderExcluir