quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Uma crônica

Escutei de uma prostituta quando fazia trabalho de campo sobre sexualidade, genero e transformação do corpo.

- Eu volto daqui a pouquinho e voce pode fazer a entrevista comigo. É coisa rápida. É só o tempo de eu derrubar o cara e esse é o tipo de cliente que a gente derruba rapidinho.


É super comum ficar fascinada pelo objeto de investigação. E não foi diferente comigo.

6 comentários:

  1. Isso me lembrou Bye, Bye Brasil, quando a Bety Faria tá em cima de um cara que não acaba nunca, aí o Fábio Júnior aparece e ela resolve a coisa toda bem rápido.

    ResponderExcluir
  2. No Fórum Social Mundial eu ouvi isso de uma senhora que era militante. Ela encerrou a mesa de discussão sobre profissionais do sexo dizendo que precisava derrubar uns homens ainda em Porto Alegre... =D

    ResponderExcluir
  3. hahahahahahahaha

    Imaginação fértil por aqui. :) (3)

    ResponderExcluir
  4. Imaginação fértil por aqui. :) (4)
    Lembrei de "Maria tomba homem"... Apesar de não ter nada a ver o personagem com a situação, imaginação criando...

    ResponderExcluir