terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Da arte de presentear

Nós não trocamos presentes no Natal. Também não compramos presentes para Ethan pois ele é neto único e tem bisavó. Imagine o quanto ele é adulado e inundado de presentes na época em que a avó, bisa e avô perdem completamente a noção. Mas não estou reclamando. A política aqui é 'entrou um presente, sai outro para a doação'.

O que eu quero contar é que resolvi presentear a amiguinha de Ethan neste Natal. Ela aportou aqui em casa com um embrulho especial para ele. Resolvi procurar algo para uma menina que brinca com todo e qualquer brinquedo. Ela pediu inclusive uma mini moto motorizada no aniversário.

Eu queria presentear uma menina e a coisa não foi tão simples. Porque goste ou não, eu sou feminista e a gente fica com o olhar treinado. Treinado para enxergar brinquedo sexista a quilometros de distancia. Fucei nos sites com bons preços já que o site que amo não tem nada para o tamanho dela. Depois de me deparar somente com coisas para meninas na vibe girlie, rosinha, fofinha, tive a idéia nostálgica de ver os brinquedos da Playmobill. Eu não tenho absolutamente nada contra a cor rosa. Sou contra a divisão do mundo em rosa e azul. E do quanto os brinquedos 'de menino', na maioria das vezes, são muito mais legais do que os brinquedos 'de menina'. E nem vou falar de adultização da infancia, empresa que vende de maquiagem a sapatos de salto para meninas de menos de 5 anos de idade.

Daí que ficou assim. A Playmobill vende set de aviador, bombeirO, aventureirO na Africa, nadador. E os bonequinhos são masculinos. No set que tem bonequinhos femininos tem passadeira de roupas (laundry room), mãe arrumando cama (master bedroom), mãe cozinhando, mãe fazendo tarefa doméstica a torto e a direita e pai sentado na sala de tv. Tão divertido para essas mães, né? Já com ódio nos zóios resolvi comprar o aviador com avião de malinha executiva e a passadeira de roupa com ferro em punho. Trocarei os bonecos de lugar. Coloco a passadeira para voar alegremente com a pastinha executiva e presenteio a menina. Cato o ex aviador e tasco para passar roupa e ponha na estante de Ethan.

Quem disse que seria fácil, minha gente?

18 comentários:

  1. Muito bom!!!! Acho que se uma empresa percebesse o nicho de mercado que esta perdendo, ganharia rios de dinheiro! Pq aqui na França eu tbm vejo maratona de pais à procura de brinquedos nao-sexistas, sem o menor sucesso.

    ResponderExcluir
  2. Hahahaha! Adorei a solucao pro problema. Alias, concordo com voce, com os olhos treinados a gente nao consegue achar nada que preste pra dar de presente pras meninas.
    Que mundinho besta hem?

    ResponderExcluir
  3. Mari, não sou feminista, mas não vou entrar na discussão. O que concordo, é ainda se ter uma visão de que menina brinca de casinha, bonequinhas "amelizadas" não de Amelie Poulain, mas de Amélia e tudo super cor-de-rosa. Eu tinha preconceito sim, de roupas exclusivamente rosas e suas nuances, eu sempre dei peças, brancas, azuis, etc, etc, pq tenho filha mulher e sei que quando crescer vai aderir ao preto (será?).
    Também concordo que brinquedos de meninos são mais legais, eu sempre gostei de brinquedos, mas apesar das Barbies que Alice tem (ñ dei nenhuma das 8 que ela ganhou com apenas 3 anos de vida), eu dou livros, a minha loucura em brincarmos e dançarmos juntinhas e o legado de cozinhar, mas pq ela é curiosa e gosta! :)

    ResponderExcluir
  4. Oi, amorecos, tudo certinho por ai?

    Amanda, quando o mercado cria a diferença entre meninos e meninas ele vende mais. O senhor mercado é muito esperto e sabe que criar uma ala de coisas rosinhas e outra de coisas azuis numa loja renderá mais lucros. Do mesmo jeito que criar maquiagem para meninas incute a idéia de que mulher tem de 'se cuidar' e 'não envelhecer' jamais. E se cuidar para os homens. Teem de ser eternos enfeites que lavam, passam, cozinham e ainda se cuidam. Daí meninos não podem brincar de bonecas pois isso é coisa da parte 'fraca' - a feminina e menina não pode 'se sujar' pois meninas decentes não fazem isso. Aí a famosa dicotomia santa x não santa já foi estabelecida.


    O meu grilo é o lugar de servidão que é vendido para meninas desde a tenra infancia. E a gente não pode falar nada senão, somos taxadas de histéricas. Seria tão mais simples para o empowerment feminino se estabelecessem nosso lugar no mundo desde pequeninas. Ser tomboy um dia, brincar de princesa noutro...

    Ui, o comentário ficou gigante. rsrsrs

    Bjkas para vcs!

    ResponderExcluir
  5. *corrigindo ' se NÃO estabelecessem nosso lugar no mundo ..'

    ResponderExcluir
  6. É um mundo besta mesmo, Carla. *suspiro


    Bia, ainda bem que eu e você vamos criar meninos legais para com meninas, né. Esses cabras tem sorte da gente ser mãe deles. bjkas

    ResponderExcluir
  7. Credo, nunca tinha percebido esse sexismo de playmobil. Minha mãe também deve ter feito ginástica, porque eu tinha playmobil hospital, com médicos e médicas. A gente fazia uma festa com os playmobil, trocava os cabelos, então tinha de sainha e cabelo curto, playmobil macho de cabelo comprido, playmobil com aquelas aranhas gelatinosas de parede na cabeça...

    ResponderExcluir
  8. Eu sou doida doida pelos playmobil de pirata. Qdo comprar um pro Alê (PRO ALÊ, GENTE, NÃO É PRA MIM! NÃO É! OUVIRAM??) vou descolar uma playmobilza porque acho o fim das goiabada não ter playmobilza em kits emocionantes como de piratas, aventureiros - só nas aventuras do lar (que eu sinceramente dispenso).

    Ótima solução a troca do aviador pela passadeira" :D

    ResponderExcluir
  9. Nossa, acho que eu fiquei tão traumatizada com os brinquedos da minha infância - de que eu não gostava, preferindo os do meu irmão - que até hoje sou uma negação como dona de casa! hahaha
    Falando sério: isso me preocuopa um monte, evito dar coisas sexistas pra minha filha, mas confesso que é difícil manter a diretriz com as outras pessoas.
    O que me irrita muito são as propagandas na TV. Os da Discovery Kids são beeem sexistas. Mas vamos continuar fazendo ginástica e criar filhos menos preconceituosos!
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Ronise, mas é meio uma ginástica procurar presentes com cores 'neutras', né. Eu quero muito que minha criança goste de cozinhar assim como eu. Tu disse tudo sobre os livros. A Marjorie Rodrigues me passou um link de livros tão legais porque eu fiquei meio traumatizada com a historia do racismo em Monteiro Lobato. E claro que eu já tinha pensado na biblioteca do meu filho. Engraçado que de livros a brinquedos a gente tem de ir fazendo um filtro para não presentear os filhos com coisas toscas, pra dizer o minimo.

    bjkas

    ResponderExcluir
  11. Caminhante, eu brinquei demais com Playmobil mas como lá em casa a grana era curta e as meninas são muitas, a gente só tinha os bonecas sem os tais kits ou playset. Trocar as roupinhas, os cabelos e brincar com um set neutro tipo, hospital deve ser um excelente exercicio.

    bjkas

    ResponderExcluir
  12. Deh, a gente acredita que os brinquedos são para o Alê. =D

    Marla, sua preocupação é mais do que justificada. Ainda bem que sua criança tem vc ligadinha no que a tv e industria de brinquedos ta oferecendo.
    Obrigada pela visita, meninas.

    bjkas

    ResponderExcluir
  13. Nina vive num quarto cor-de-rosa mas manda nos guris, trepa em muro e tals. Usa muito rosa sim, porque só compro roupa pra ela em loja popular, e nessas lojas a coisa é preto no branco, isto é, azul pros gurias, rosa pras meninas. Claaaro que tento evitar mas é muito difícil. Mas eu, pessoalmente, em casa, não esquento tanto, porque obviamente, como você, tô ligada nessa manipulação. Quando vamos em lojas de brinquedos a Nina visita as estantes tanto de meninas quanto de meninos - e elas ficam bem separadas, claro. Outro dia mandei pegar só duas balas de sobremesa e ela, depois de correr, foi reclamar com o pai: me dá outras duas balas? "não, mamãe disse 2". "Mas pai, você também é dono da casa, acho que às vezes você devia mandar também". hahahahaah (ele me mata se souber q contei) BJK AMOR

    ResponderExcluir
  14. Adorei a sua solução criativa, Mari. Playmobil? Brinquei muuuiiito! Até hoje tenho uma enfermeira(ou médica?)guardada na casa da minha mãe.Lá em casa eu e meu irmão tínhamos brinquedos de "meninos" e brinquedos de "meninas" mas nós dois brincávamos com todos os brinquedos. Às vezes ele brincava de "casinha" comigo e minhas amigas, e às vezes eu brincava de bola ou carrinho de rolimã com os amigos dele. Era uma mistureba só e era muito divertido!!

    ResponderExcluir
  15. Mari você é incrível!!!
    Amei o "jeitinho" que voce arrumou :)

    Tô de olho!

    Bjinhos

    ResponderExcluir
  16. mari, uma vez eu fui numa loja aqui na frança e tinha duas sessoes beeeem separadas na area de brinquedos. era tao exagerado que a parte das meninas era rosa e tinha uma placa onde se lia "brinquedos para meninas" (o mesmo pros meninos em azul). eu fiquei chocada com camilo. e se a gente tivesse um filho e o danado quisesse comprar uma boneca. comofaz? "nao, meu pequeno, sinto muito, mas o monoprix ja instituiu que boneca eh coisa de menina e, repare bem, você tem um pinto". ppff... eh como se tivesse na sessao de comida "comida para brancos", "comida para gays" etc...

    ResponderExcluir
  17. Ai... tamo junta, nessa, né, colega? Post irmãozinho do meu. =D

    ResponderExcluir