sábado, 21 de agosto de 2010

Enquanto espero

Minha cunhada foi diagnosticada com cancer no fígado no começo deste ano. Infelizmente quando ela passou mal e foi ao hospital o cancer já estava em estado bem avançado. A médica dela disse que ironicamente por ela levar uma vida muito saudavel com yoga, comida vegetariana, corrida, Reiki e meditação, o corpo demorou a dar sinais da doênça. O cancer é nivel 4. Ela tentou um tratamento com quimio e uma dieta com root food. Foram 2 meses de tratamento intensivo. O corpo respondeu bem e ela tinha chances de vencer a doênça. Mas ela resolveu parar com tudo e desistir de acreditar que seria curada.

No começo eu fiquei confusa com a decisão dela. Meu marido achou que ela estava sendo fraca em não lutar. Minha sogra ficou com raiva e ainda está com raiva com a decisão da filha.

Hoje eu entendo o que levou minha cunhada a parar com o tratamento e começar a se despedir das pessoas. Ela é uma adulta e decidiu que, com chances minimas de ser curada, ela optou por gastar o tempo que lhe resta em festas com os amigos. Eu também quero achar admissivel minha sogra comportar-se com tanta agressividade quando sabe que a filha está com um copo de vinho na mão ao invés de água. Eu não posso imaginar o quanto deve ser horrendo ver sua única filha morrendo devagarzinho. Ela perdeu muito peso. Parece uma outra pessoa. Faz drenagem uma vez por semana e anda a procura de perucas coloridas.

O que me intriga é que mãe e filha trocaram de papel depois do diagnóstico. Minha sogra parou de comer carne, faz yoga e Reiki e só bebe água purificada. Cortou o álcool também. E ela ama um merlot. E minha cunhada deu uma diminuida em todas as atividades citadas acima mesmo porque o corpo dela já não aceita algumas posições da yoga, por exemplo. Para minha sogra todo e qualquer alimento agora é venenoso enquanto minha cunhada não está perdendo tempo e experimentando de tudo.

Eu sou uma pessoa muito ansiosa e estou esperando literalmente o que vai acontecer com minha cunhada. Como vai ser no final? Como eu vou me comportar?

3 comentários:

  1. Olha, eu nem sei o que dizer. Só que me solidarizo. Uma amiga de uma das minhas melhores amigas teve um câncer brabo e morreu aos 32 anos de idade. E teve isso, de os médicos dizerem que não havia esperança. E ela escolheu ir se despedindo da vida. É muito triste, mas acho que tem uma dignidade imensa nessa opção. A gente vive tempos em que há a ilusão de que a tecnologia pode tudo, e o fato é que não pode. Enfim. Desejo que ela viva o hoje com maior intensidade possível, pra que ao final, esteja perto ou mais distante do que se imagina (nunca se sabe), tenha valido muito a pena. Porque eu acho que só isso dele consolar um pouco quem fica. Um abraço apertado.

    ResponderExcluir
  2. Também acho que há muita dignidade na decisão dela. Sempre achei que devíamos ter o direito de fazer nossas escolhas e isso se aplica a escolher entre insistir num tratamento doloroso e provavelmente inocuo ou desistir e viver com dignidade o tempo que lhe resta. Eu não sei qual seria a minha escolha se estivesse passando pela mesma coisa, mas entendo por que sua cunhada fez essa opção. Acho que todo mundo tem um limite e ela deve ter atingido o dela. É digno e justo. Abraço

    ResponderExcluir
  3. Vcs sao umas fofas! Obrigada pelas palavras de apoio. Ver tudo isso pela otica de que minha cunhada esta' sendo muito digna em decidir o que ela decidir da um certo alivio no meio de tanta espera triste. bjinho!

    ResponderExcluir