quinta-feira, 14 de maio de 2015

Trabalhando em casa

Me comportei muito bem no meu primeiro home office. Fiquei com medo de trabalhar em casa e não corresponder ás expectativas da empresa, mas foi muito bom. Descobri que sou disciplinada e que não ingeri muito mais café do que eu geralmente bebo quando trabalhava no escri. em Chicago.

Foi uma decisão win! win! para mim e para a Stax Inc. A matriz da empresa é em Boston e com a diferença de horário entre Massachusetts e Illinois, eu posso começar a trabalhar no mesmo horário da matriz pois, não tenho de tomar o trem e começar a trabalhar as 9 da manhã.


***


terça-feira, 12 de maio de 2015

A inveja é uma merda

Parece uma rosa
De longe é formosa
É toda recalcada
A alegria alheia incomoda
Venenosa!

(Rita Lee)



Feminismo hoje e outras cositas

"Nunca fiz o q estou fazendo agora: apontar dedo pra minas. Apenas cansei dos ataques. Pretendo nunca mais fazer também. Recado tá dado:
O que eu faço pelo feminismo e pelas mulheres pode ser titica de galinha, mas de uma coisa eu tenho certeza: é MUITO mais do que esse feminismo raivoso doente de facebook que perde tempo esbravejando, cagando regra, caçando carteirinha, rachando minas, dando liçãozinha de moral e indiretas nos murais, tentando se pagar de descolada modernosapor ser ~feminista~ numa busca obsessiva por likes pra bombar a própria auto-estima.
Quer ser feminista? Recomendo que tire a bunda do sofá e venha pro mundo real. Venha conviver com mulheres, conversar com mulheres, acolher mulheres, ajudar mulheres a sair de relacionamentos abusivos, denunciar macho agressor, promover eventos para mulheres, arrecadar dinheiro para tais eventos que contemplem mulheres, estudar junto com mulheres, debater políticas públicas para mulheres...
Tô CAGANDO pra tua opinião ~feminista~ sobre homens, veganismo, maternidade, monogamia, o coletivo feminista, a ONG, sororidade, o céu, a terra, a água e o ar, falando como se a sua opinião actually made a difference em algum universo além dessa bolha virtual.
Isso é só pra dizer que eu não me meto mais (já me metia muito pouco antes) nessas discussões ridículas que vocês ficam dias travando." - Comentário de Georgia Martins Faust 



domingo, 10 de maio de 2015

A cara di recalque

Eu tenho um tio a quem eu chamo de Tio Nêgo. Meu pai também se refere a ele como Nêgo. Ele é o mais pretinho da turma de quatro irmãos daí o apelido. Esse foi até então um assunto nunca explorado até o Dia das Mães deste ano de 2015. A prima não chama tio Nêgo de Tio Nêgo, mas sim por Joaquim, seu primeiro nome.

Discorrendo sobre o assunto no grupo, a prima deixou bem claro que eu '' vejo racismo em tudo'' e que " ninguém tem de concordar com minhas idéias''. Daí você se pergunta o que o C* tem a ver com as calças e eu digo - nada! Bitch is crazy!

Quando eu comentei que ela teria de aprender a interpretar textos o negócio degringolou de vez. Ela me acusou de racista e, que eu vejo racismo em tudo, por ter comentado que chamo meu Tio Nêgo de - veja bem - Nêgo. Detalhe - a moça ém questão é negra. O pai é remanescente do quilombo Kalunga no chapadão goiano na divisa entre Goiás e Bahia.


Depois dela estragar o meu Dia das Mães ( sim, eu celebro e sou feminista, Pode?) e eu ficar completamente desnorteada, marido tirou  o telefone de mim dizendo She is not the sharpest knife in the drawer. Eu sei. Dói.

Eu sei que não era sobre quem é negro ou se vê como negro ou não ---- era sobre mim. É sobre mim. Aquele incomodo, sabe. Aquele que Tina Lopes já falou, etc. Te amo, Tina. Se não fosse você eu estaria aqui me perguntando de como e porquê e como again, a prima começou a surtar.


sexta-feira, 27 de março de 2015

Book Porn e um convite

Inventário das coisas. Dos livros. Dos livros de sociologia. Estou pronta para lecionar. Estou pronta para começar umas aulas de Muay Thai. Alguma coisa para diminuir a ansiedade.









O Oaktom Community College pergunta Quem Tem Medo do Feminismo? São dois de dias de debates, mesas rendondas, convidadas muito especiais.


sábado, 21 de março de 2015

Meu marido, completamente mineirinho, estava me perguntando como um cara aí conseguiu conquistar uma mulher maravilhosa. Quando meu marido a conheceu a chamou de The Black Paris Hilton. Eu acho um insulto -- Paris Hilton? Arghhhh! -- mas conhecendo Clint como eu conheço, é um baita elogio. Essa moça é linda por dentro e por fora. Extremamente atraente. Quando alguém faz a pergunta que Clint fez, eu sempre digo que o cara em questão deve ser do tipo que trata bem o garçon, a garçonete. Esse tipo de atitude  é very charming, é conquistadora.


**

Eu sei que todxs estão apaixonadxs pelo Jout Jout Prazer, mas vou postar um dos videos dela aqui. É sobre relacionamentos abusivos. É tudo!



segunda-feira, 16 de março de 2015

Fazer 40 anos de idade e ganhar 40 livros. Fazer 40 anos de idade e ganhar 40 cartões feitos a mão. Não consigo me decidir.


Das coisas que eu sei fazer:


Caldo Verde - receita de Tina Lopes