segunda-feira, 17 de abril de 2017

Jaca

A uns meses atrás roubaram-lhe o Iphone dentro do coletivo. Depois roubaram-lhe a bicicleta. O telefone novo estragou, sem mais, nem menos. Ficou com a tela esbranquiçada. Na mesma semana, um idiota foi a escola onde o filho dela estuda e, sem autorização, levou a criança pra casa, achando que lhe prestara um grande favor. Quando ela não  encontrou o filho na saída da escola, ela passou mal. Baixou no hospital. O companheiro ficou trancado na casa onde ele faz serviços de jardinagem. Resolveu pular o muro. Quebrou o pé. Eles sao católicos esporadicos. De vez em quando, dão uma voltinha na igreja protestante.

Se fosse eu, apelava para os deuses do candomblé pois, o deus que eles estão   apelando no momento, não está funcionando.


---

Nos Estados Unidos eu só não encontro uma mãe, com quatro portas, ar-condicionado, touch screen, hidromassagem. Mae igual a minha. Daquelas que sabe fazer ovo escalfado, com pimenta malaqueta e coentro. Mas de resto, eu encontro de tudo neste país! Olha jaca! E tem mamão papaia, goiaba, cana, polvilho doce, carambola. Frutas tropicais vindas do Mexico, Guatemala, Colômbia, Peru e as vezes Brasil.
Me amiga me avisou que a jaca é fruta nacional do país dela. Blangladesh.  


Mães, saudades! 

Abusos

Atrasada. Atrasada. Atrasada para falar sobre relacionamentos abusivos e o BBB. E eu nem quero ouvir "mais nem todos os homens sao assim!". Me poupem. 




#EuViviUmRelacionamentoAbusivo





Survivor (Destiny's Child ) 

-------

Como se diz aqui em casa: badass! Badass girl!!! 


@think_olga Olha que foto mais inspiradora e poderosa, publicada pela @wearethetempest: a ativista muçulmana Saffiyah Khan encarando de frente um ativista da English Defense League (EDL) - grupo de manifestantes de extrema direita - em Birmingham, na Inglaterra.

-----

Esta placa fica na Route 38, no Illinois. Essa avenida fica paralela á rua onde moro. Eu parei no acostamento e fiz fotos. Nos fundos da propriedade fica a casa dos responsaveis pela placa. Bonita. Enorme. Coisa de gente com dinheiro e um coração que pensa nos Outros. 


Nas eleições, o vizinho tinha um banner enorme do Cheetos. Todo pro-Cheetos. Pro-life. Pro-armas de fogo. Eles são o clichê do branco facista racista americano. E pobre. Mas não foi a pobreza que fez com que eles votassem no Cheetos. Foi o racismo. Na cabeça dessas pessoas, tudo que o presidente Obama fez needs to be erased. Tudo. 

sexta-feira, 31 de março de 2017

Colorido Colorado

Inconveniente. Blaber mouth. Pegajoso. Alienado. Imaturo. Mãos equizofrenicamente pequenas. Tacky. 


***

Sonhei que me casava. De branco. Com o mesmo cara. E tinha piscinas naturais no sonho. Igreja colonial e muita agua limpa.

***

O Colorado tem a cidade de Boulder. Tem também Fort Collins e Windsor. Todas grudadinhas umas nas outras. 

Pontos positivos -- O Colorado é um Blue State. Ou seja, vota Democrata. Ou devo dizer, o Colorado possui Blue Cities. A roça ainda elege abomination do tipo TrumpA. Em Windsor estão as melhores escolas publicas do Estado e na lista das melhores do país. O centro é charmoso. Restaurantes de enlouquecer qualquer foodie. Cerveja artesanal da melhor qualidade. Muitas breweries. Lidera a lista de povo mais fitness. Milhares de esportes ao ar livre. Mountain bike, escalada, montanhismo, esqui, trilha, motocross, bicicross. Acampar nas montanhas. Ahh as Flatirons! Excelentes bibliotecas publicas. Casa da Universidade do Colorado. A universidade que tem muitos laureados com o prêmio Nobel. E a melhor abreviação: CU.  

Pontos negativos -- Boulder nao é racially diverse. A maioria da população é composta de brancos. Longmont, Eaton, Lafayette e Windsor tem mais diversidade. Produtos e serviços são caros. Se mudarmos para la, podemos esquecer de morar em uma old farmhouse, com muitos alqueires ao redor. Terra custa os olhos da cara. O trânsito é intenso. 

Vamos sonhar sonhos bons e fazer as contas. 

Fotos feitas por mim. 



Mapa de Boulder













terça-feira, 21 de março de 2017

Meu medo

Passa um pequeno filme na sua cabeça. E surge um monte de perguntas. E se a pessoa é pratica como eu, ela comeca a escrever listas insanas que, dependendo do diagnostico, não são o que parecem. Elas são uma tentativa de um plano B. Quando me ligaram da clinica, eu não tinha planos, nem lista, nem nada que se aproveitasse de como eu iria lidar com uma doença. Eu apenas segui as instruções. Eu tomei banho e fiz minha maquiagem. Não coloquei desodorantes, nem perfumes. Segui as regras para ser examinada. De novo. As minhas pernas estavam bambas e minhas mãos estavam frias, mas eu não estava com fome. Isso sempre acontece quando eu estou com fome. Eu estava com medo. Coloquei o radio para tocar Michael Buble. Bem alto. Nao podia me dar ao luxo de escutar meus pensamentos. Devo me vestir para ser internada, ou devo me vestir para uma bateria de exames? Serei internada depois dos exames concluidos? Biópsias doem? Todos sabem que eu não ligo para dor. 

Eu ainda nao criei meu filho. Meu filho só tem oito anos de idade. Eu preciso de mais tempo para criar meu filho. E meu marido é tão doce, tão gentil, tão  lindo. Como diz I. P. "Casameno às vezes é uma merda, mas às vezes é bão ". Eu ainda quero mais tempo com meu marido. Não fiz nada da minha vida. Terei que ir ao Brasil fazer o tratamento pelo SUS pois, moro no pior país do mundo quando o assunto é health care. Todos os assombros passam pela minha cabeça. 

A gente tenta advinhar o que está acontecendo olhando para o semblante da recepcionista, da radiologista, dos médicos. Eles são bons em fazer poker face. Eles usam as palavras com cuidado para não te alarmar. Me perguntaram se tinham casos de breast issues na minha família. Em nenhum momento eles dizem a palavra câncer. Todos sabem que minha familia sofre do coração. Nossos peitos são ótimos! Somos cinco mulheres com seios perfeitos. Só o coração é que derrapa.

No final, eu  estou bem. Eles me reviraram pelo avesso para constatar que a dense tissue no meu peito direito sumiu. Diminuiu. Desapareceu



segunda-feira, 20 de março de 2017

Espera

Obedecam a Marina W. Escutem a Mary W.

O artigo em Portugues: "Trump, os Nerds do 4chan e a Nova Direita dos Estados Unidos" -- Full article in English: "4Chan: The Skeleton Key to the Rise of Trump. 

***
Estica. Respira. Fotografa e espera.







***

(...) conversando com minhas amigas. Conversando sobre tudo. Sobre mudar para o Colorado, sobre eu não ter um trabalho adequado a minha formação escolar, sobre my struggles living in "all-white, very conservative, nearby white-supremacists with Confederate flags on their lawn", sobre o meu casamento ser multiracial (?) e os conflitos que existem neste tipo de casamento, sobre opressão que negros, Latinos, asiáticos, Indigenous people sofrem nos Estados Unidos, sobre o que é SER americano ( Define AMERICAN!!!), sobre as microaggressions que as não-brancas - sofrem no departamento de sociologia da universidade onde elas fazem o doutorado, sobre qual é o país no mundo onde os expatriados - não brancos-  são mais felizes(happiness is overrated)(...)

Estou exausta.








sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Do parir

Eu tomei um café chamado Bon Bon. Hazenult syrup, shots de expresso e algum segredo bem guardado. 

Recebi carinho pelo correio. 



Aqui tem um menino que arruma gravatas em caixa e escreve "bow ties" na porta do armário. Um quarto só para gravatas borboletas. Um sonho bom.

Ele assistiu uns vídeos de um -- YouTuber. Quis comprar a mesma marca de roupas que o YouTuber anunciou no canal. No outro dia ele decidiu que seria um YouTuber. Eu não serei mãe de um YouTuber. Ou celebridade da internet. Ou sub-celebridade da Internet. ou, ou, ou... de uma pessoa cuja profissão é -- modelo!

Aparentemente, crianças e adolescentes estão se relacionando com mundo por meio de YouTubers. Uns emoticons lesados.

Eu não pari pra isso. Sou arrogante. Eu não pari um filho pra ele ser YouTuber. 

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Helio Oiticica, friendship e gente da cidade grande

O Art Institute of Chicago trouxe o Helio.




Nas ruas da cidade o recado esta sendo dado via camisetas.





Nas paredes da casa da amiga:




Se as Cidades Santuarios irão resistir, eu nao sei, mas todos os dias tem gente que se mobiliza.